a Carlos Drummond de Andrade


Nasceste de carne e osso.
E de tanto viver entre montanhas e respirar sobrados
adquiriste o ferro de tua cidade. Por muito tempo
não soubeste se teu corpo
tinha mais da matéria orgânica
ou da metálica.

A vida provinciana que ruminavas
em ruelas paradas e poeirentas
tua vida desafogada e escassa de boi resignado e inócuo
e até tua vida exposta cruamente nas livrarias
das pequenas e grandes cidades do país
habita hoje involuntariamente o dia a dia
de banhistas transeuntes taxistas
besuntada em bronze e azinhavre
perfumada de uma inalcançável maresia.

Os miúdos olhos boiando em complacência
mesmo quando alguém lhe rouba os preciosos óculos.
A cabeça francamente doada ao passeio das aves
e às primeiras gotas de chuva
do inverno de Copacabana.

Enfim o metal em ti prevaleceu.
Te veste essa nudez de ferro
que não se dissipa (de estanho e cobre
os teus pecados?). Mas mesmo imóvel e imortal
rígido e indissolúvel como um teorema
ainda pareces — ainda és — humano demais.


*

leia também aqui



5 comentários:

Bruno de Abreu disse...

Poça, isso ficou muito bom de ler! E adorei o ultimo verso do outro poema: " nem as janelas dos carros"

Bruno de Abreu disse...

*poxa (claro)

Verdades e Mentiras disse...

Gostei, voltarei. abs. sandra

Camila F. disse...

João!

muito bom o poema.
e ficou ótimo novo visual, assim branquinho, sem nenhum excesso que ofusque a poesia. gostei bastante.

abraço.

wanessa g. disse...

grande homenagem. grande homenageado!