poesia que se colha
na palma da mão
leve desdobrável
abandone o livro

de dentro da bolha
da gema do grão
entre os dedos graves
já resvale livre

aleatória folha
caída no chão
onde o poema breve
nascerá mais vivo



poema-chamada para o fanzine leve poesia, disponível para quem tiver a oportunidade de esbarrar com o poeta nas melhores e piores ruas, esquinas, becos e avenidas da cidade de são sebastião



Nenhum comentário: