vingança

tarefa difícil
fazer da lágrima esgrima
do sal dos olhos dos ais
forjar uma espada samurai

e mesmo sem rima
sem a saúde dos dentes
saciar a sede de antes
comer o prato frio da vida

fevereiro de 2006



2 comentários:

Bruno de Abreu disse...

oi joão! valeu por aparecer lá no blog!

como já disse, gosto muito da sua força poética. penso que isso se deve às palavras e aos sons muito bem escolhidos, que englobam várias sensações inesperadas, dando sempre um ar novo a cada verso, deixando o poema sempre respirável, não?

vou aprendendo com você aqui.

abraço!

Marianna disse...

João, já escrevia bem em 2006! :)
Parabéns