coragem

1.
Esta palavra — coragem
que se sabe apenas de cor.
Só assimilada a mansa voz
da exortação e da calma
a lembrança
da inocente ameaça
recordada dia e noite
no pátio tomado de ervas
daninhas e da luz vespertina
o calor e o frio da febre
e aquele calafrio
a revirar o estômago do caçador

esbanjando o fio do ardil.
Siso. Tédio. Disfarce.
Remorso do pássaro ferido
na palma da mão.

2.

Quisera da melodia o rastro
de silêncio a nortear os passos
na corda bamba feita de giz.
E ainda assim o repelão
o canto que se gritade repente
(antes que o dia)
como para amanhecer.
Quisera a vida
como quem desperta
de um sonho horrível
ou emerge de um afogamento.

*

poema do livro cartilha, disponível aqui



Um comentário: