A gente inventava um mapa e alguém confiável dentro do grupo enterrava o tesouro num lugar dificílimo. Era quase sempre uma coisa conhecida de todos, sem nenhum mistério o apanhado de todas as nossas bolas de gude, alguma tosca coleção de selos, a soma das mesadas ou dinheiro recolhido. O que importava não era o valor ou a raridade do tesouro, tampouco sua simples posse. O que realmente divertia e mais excitava era a quase interminável procura pelo xis.

*

poema do livro cartilha, disponível aqui



Um comentário:

Camila F. disse...

a procura pela procura.
nunca conseguimos ficar sem algo para buscar, não é? a diversão de viver talvez esteja nisso.

obrigada pela visita,João. vou tentar não sumir por muito tempo, rs.

beijo!